Cegueira Moral Crítica

Cegueira Moral, de Zygmunt Bauman e Leonidas Donskis

00:00Universo dos Leitores

“Privacidade, intimidade, anonimato, direito ao sigilo, tudo isso é deixado de fora das premissas da sociedade de consumidores ou rotineiramente confiscado na entrada pelos seguranças. Na sociedade de consumidores, todos nós somos consumidores de mercadorias, e estas são destinadas ao consumo; uma vez que somos mercadorias, nos vemos obrigados a criar uma demanda de nós mesmos.”


Zygmunt Bauman é um sociólogo polonês que estuda o desenvolvimento da sociedade moderna em meio à evolução da tecnologia e à preservação de uma estrutura burocrática de Estado. 

No seu último livro publicado no Brasil, Cegueira Moral, ele abordou, por meio de um diálogo com o filósofo Leonidas Donskis, a falta de sensibilidade dos homens modernos em meio às dores e dissabores dos seus semelhantes. Em um mundo onde a tecnologia e as redes sociais estão mais em destaque que a política e os direitos humanos, o que existe é a sociedade do espetáculo: se você não estiver conectado, se não tiver status, se não for capaz de participar do mercado de consumo e se não estiver incluído em debates polêmicos e agressivos, você simplesmente não existe. 

“Um único ato de crueldade tem mais possibilidade de atrair para as ruas uma multidão de manifestantes que as doses monotonamente administradas de humilhação e indignidade a que os excluídos, os sem-teto, os degradados são expostos dia após dia.”
O grande problema disso tudo é que enquanto toda a utilização das redes sociais vem amparada por um discurso de liberdade de expressão e aproximação entre as pessoas, o que ele realmente causa é o aprisionamento e a perda de qualquer resquício de intimidade e discrição. Neste ponto, Bauman recorre aos argumentos apresentados em Vigilância Líquida para ressaltar que atualmente a internet e as redes sociais são as melhores ferramentas de controle do ser humano: nós, iludidos pelo ideal de liberdade, conferimos ao Estado todas as informações relevantes sobre a nossa vida e as nossas vontades, nos tornando reféns de uma sociedade hierarquizada, burocrática e vazia de valores. Enquanto isso, os poucos que se recusam a aderir ao sistema, perdem forças e se tornam seres invisíveis. 

“Em nossos mercados de consumo congestionados, novos produtos tendem a surgir para só depois procurar suas aplicações.Muitos deles, talvez a maioria, são descartados sem encontrar nenhuma utilidade. Por isso, tentação e sedução sobem ao topo das preocupações de marketing e consomem a parte do leão dos custos dessa atividade.” 
Dividido em 5 diálogos, o livro faz referências interessantes a alguns períodos históricos, discorre sobre o surgimento do conceito de “mal” e sobre a presença de um “diabo”, aborda a estrutura burocrática de poder e a forma como até a política perdeu importância diante da tecnologia. 

Merece destaque o capítulo denominado Universidade do Consumo, em que Bauman discorre sobre a mudança de paradigma da sociedade atual, que não valoriza o esforço e não incentiva a melhoria, transformando em descartáveis as pessoas que erram, que não se atualizam, que não consomem e que não se rendem às tentações inúteis do mercado.


“Como a negligência moral está crescendo em alcance e intensidade, a demanda por analgésicos aumenta cada vez mais, e o consumo de tranqüilizantes morais se transforma em vício. Por conseguinte, uma insensibilidade moral induzida e manipulada se torna uma compulsão ou uma “segunda natureza”: uma condição permanente e quase universal – e as dores são despidas de seu papel salutar de prevenir, alertar e mobilizar. Com as dores morais aliviadas antes de se tornarem verdadeiramente perturbadoras e preocupantes, a teia de vínculos humanos tecida com os fios da moral torna-se cada vez mais débil e frágil, vindo a descosturar-se.” 

O livro também possui várias referências literárias, entre elas 1984, de George Orwell, Admirável Mundo Novo, de Aldous Huxley, A possibilidade de uma Ilha, de Michel Houellebecq e Nós, de Yevgeny Zamyatin. 

O que atrai a atenção para a leitura, além da abordagem atual, é a visão crítica e lúcida de Bauman. Os questionamentos levantados por Leonidas também são essenciais e instigantes, o que torna a leitura interessante e reflexiva. 

Esse não é um livro sobre uma sociedade, mas sim para uma sociedade. Leitura obrigatória. 

“A primeira vítima de uma vida apressada e da tirania do momento é a linguagem – atenuada, empobrecida, vulgarizada e esvaziada dos significados de que seria portadora, enquanto os “intelectuais”, os cavaleiros errantes das palavras significativas e de seus significados, são suas baixas colaterais.”


Gostou? Encontre a melhor oferta aqui.




You Might Also Like

1 comentários

  1. é o próximo livro que desejo ler de Bauman, estou lendo Vida Para Consumo e estou achando fantástico. Muito interessante a página de vocês, facilita muito para nós na busca de uma leitura enriquecedora.

    ResponderExcluir

Obrigada por participar do nosso Universo! Seja sempre muito bem vindo...

Acompanhe nosso Twitter

Formulário de contato