Cinema Fernando RR

O estado das coisas: um filme que vale a pena assistir!

00:00Fernando RR


Dias atrás fiz algo que há tempos não fazia e fui ao cinema assistir o filme O estado das coisas, estrelado pelo ator de comédia Ben Stiller, no papel de Brad. Mas o filme não é uma comédia, embora mantenha um ar de graça. 

Brad vai levar seu filho para conhecer universidades e, diante do rumo de sucesso que seus amigos de universidade tiveram, começa a viver uma crise dos (quase) 50 anos.

Questões que em algum momento afligem a todos, que às vezes beiram ao clichê, afetam Brad, que dirige uma ONG enquanto seus amigos são homens de sucesso financeiro. Era um jovem idealista demais e não correu atrás de dinheiro? Sua esposa seria a culpada pela estagnação financeira do casal? Quanto receberia de herança? Enquanto isso, seus amigos ostentam fotos e vídeos nas redes sociais e estampam capas de revistas. 


A questão, não colocada pelo filme, mas que me faz escrever, é perguntar até que ponto temos controle sobre nossas vidas. De fato temos múltiplas possibilidades e somos frutos de nossas decisões passadas? E se tivéssemos feito outras escolhas? Tema bastante discutido pelos filósofos e nas mesas de bar, mas que sempre se coloca novamente em momentos de reflexão sobre o passado e o futuro. Afinal, o clichê tem sua razão de ser justamente por ser atual.

Ter controle, fazer escolhas e acreditar que podemos mudar, por nós mesmos é o enredo de nossa história. Mas será? Fazemos escolhas baseadas no que acreditamos agora para o que vamos querer ser no futuro. E, no fim, podemos estar errados ou enganados sobre nós mesmos e sobre o que é ser feliz.


Criamos horizontes de expectativas que são constantemente alterados por acontecimentos que fogem ao nosso controle. E readequamos nossas expectativas aos novos horizontes criados, na maioria das vezes, com alguma frustração. Lidar com o contingente cria um desafio para pensarmos na nossa própria liberdade: somos livres realmente ou estamos fadados a seguir uma vida determinada (por deuses ou pelo destino) ou totalmente indeterminada (relegada ao acaso e ao imprevisto)?

Talvez recheado de clichês, o filme consegue costurá-los em uma trama (as vezes) lenta, mas que concede o tempo para não atropelar as reflexões. 


O jogo de pensamentos de Brad, que constrói histórias sobre a vida dos amigos baseado nas redes sociais, a maneira como compara seus próprios fracassos frente a imagem dos outros e sua própria epifania ao perceber que, fechamento na bolha de sua própria vida, não conhece realmente seus amigos. 

Com certeza uma boa opção para uma tarde qualquer se quiser pensar sobre a vida, suas crises e suas felicidades.

You Might Also Like

0 comentários

Obrigada por participar do nosso Universo! Seja sempre muito bem vindo...

Acompanhe nosso Twitter

Formulário de contato