A Terceira Margem do Rio Editora Nova Fronteira

A Terceira Margem do Rio, de Maria Helena Rouanet e Thais dos Anjos

01:57Kellen Pavão


Alguns trabalhos tem o dom de nos tocar de maneira especial: seja através da identificação com os personagens, seja pela forma como a narrativa nos prende ou ainda pelo desenvolvimento da história. Mas alguns escritores tem o dom mágico de reunir tudo isso e nos contar memórias de maneira única, transformando enredos simples em grandes análises sobre a vida.

É o que acontece nesta graphic novel, inspirada no conto homônimo A Terceira Margem do Rio, de João Guimarães Rosa. A adaptação é linda e a experiência de ver o conto de Guimarães Rosa representado em imagens criadas por Thais dos Anjos foi fantástica. O roteiro de Maria Helena Rouanet capta a essência da obra original e reproduz com maestria o conto do escritor mineiro.
A história do pai de família que em um dia comum abandona tudo que conhece (incluindo esposa e filhos) e passa a viver em uma canoa no meio do rio, traz tantos simbolismos quanto a mente genial de Guimarães Rosa pode criar. 

Vale mencionar que os personagens não tem nome, e não existe uma definição clara de tempo ou lugar na história. Também não existe resposta, explicação e nem mesmo a voz do pai para esta atitude tão inusitada pra família. A história é contada em primeira pessoa pelo filho, que descreve toda a trajetória e consequências do exílio do pai. 

Tudo é feito através de frases rápidas e coordenadas, e o tom cadenciado toma conta da graphic, o que torna os quadrinhos bastante reflexivos. Isto combina bastante com jeito de Guimarães Rosa de contar histórias. 

A Terceira Margem do Rio é o lugar onde permanece a canoa do pai, e pode representar o limbo onde o homem quis se exilar. A canoa parada, a falta de comunicação com o mundo exterior e a solidão são tão cruéis quanto o tempo, que modifica dia após dia tudo que o homem conhece. 

O quadrinho tem um jeito especial de falar sobre escolhas, sobre solidão, sobre vida e sobre morte, de uma maneira que só Guimarães Rosa saberia fazer. Eu li duas vezes e tive a sensação de perceber detalhes e até interpretações diferentes da primeira vez em que li. Guimarães Rosa é sensorial, intenso e por esta razão, recomendo que você mesmo descubra tudo que a história pode oferecer.

“Nosso pai era homem cumpridor, ordeiro, positivo; e sido assim desde mocinho e menino, pelo que testemunharam as diversas sensatas pessoas, quando indaguei a informação. Do que eu mesmo me alembro, ele não figurava mais estúrdio nem mais triste do que os outros, conhecidos nossos. Só quieto. Nossa mãe era quem regia, e que ralhava no diário com a gente — minha irmã, meu irmão e eu. Mas se deu que, certo dia, nosso pai mandou fazer para si uma canoa.”

(Trecho do conto original A Terceira Margem do Rio)
Tenho que destacar que, tanto o traço dramático, quanto o colorismo da graphic novel me impressionaram muito e me remeteram ao ambiente rústico onde se passa a história. A adaptação de Maria Helena Rounet ficou incrível e Thais dos Anjos fez um belíssimo trabalho na arte desta graphic novel.

Enquanto lia A Terceira Margem do Rio me imaginei em uma varanda simples onde o tempo não tem tanta pressa de passar, tomando um café forte em uma caneca, olhando o sol se pondo no horizonte com as cores avermelhadas do sertão enquanto ouvia um bom "causo". Pensei nas escolhas difíceis e nos caminhos obtusos que a vida pode nos levar. Pensei na dor do filho que alimentava o pai enquanto sofria com sua ausência e sua mudez, e pensei em todas as ausências, em todos os filhos que perdem seus pais e nada podem fazer. Pensei na solidão do homem que fez do rio seu "limbo" e ali passou toda sua vida. Pensei na relatividade do tempo e em como ele pode ser cruel com nossas memórias. Pensei em como priorizar o que realmente importa na vida. 

Se por um lado eu torci pra conseguir descobrir qual a motivação do pai, por outro eu torci para que a leitura não acabasse. Esta é uma das histórias mais lindas que já li em minha vida, e no final foi impossível segurar as lágrimas. Gostaria que todas as pessoas que conheço (e também as que não conheço) pudessem conhecer e ter a mesma experiência que eu tive. Espero que você se renda também.





Se interessou pelo quadrinho? Encontre-o aqui:


                                                                                  



You Might Also Like

1 comentários

  1. Hold on to the fact that you need a custom article writing service among www.writemypaper.help/ and don't tell anyone. Let your professor think that you are the author of all essays and articles. It's safer and helps avoid awkward questions.

    ResponderExcluir

Obrigada por participar do nosso Universo! Seja sempre muito bem vindo...

Acompanhe nosso Twitter

Formulário de contato